Escrevendo Terror no Século XXI: Parte IV

(4 votos, média de 5.00 em 5)

Segue abaixo a 4ª e última parte sobre Escrevendo terror no  século XXI.

Parte 1

Parte 2

Parte 3

Parte IV: Uma pequena lista de itens que sua obra provavelmente deve conter
Tradução: Luiz Poleto
Revisão: Tânia Souza

Como qualquer forma de literatura, as histórias de terror têm suas convenções – aquelas que os aprendizes aprendem, os profissionais dominam e os mestres deixam para trás conforme cruzam as fronteiras do gênero, sejam elas tragédias de vinganças (Hamlet), contos de pactos com o demônio (Fausto) ou romances sobre o fim dos dias (The Stand).

Como parte do curso, analisamos 30 novos livros disponíveis no mercado. Não foi surpresa ver que alguns elementos básicos da ficção – uma introdução que prende o leitor, apresentação dos personagens, complicações, climax e resolução – ainda fornecem a estrutura básica de uma história de terror, mas estes elementos foram sendo alterados para se adaptarem às convenções da literatura de terror. Aqui vai uma lista que extraímos destes livros:

O gancho: Você iniciou o texto com um prólogo ou capítulo curto que fornece uma breve, mas intrigante (e normalmente violenta) visão do terror secreto que irá mover a história?

Apresentação: Dos capítulos de 1 a 5, você apresentou os personagens principais e seus problemas para então isolá-los em um local juntamente com o terror?

Ligando o aquecedor: Seus capítulos do meio mostram de forma gradual os eventos estranhos/violentos que ameaçam o protagonista e o forçam a investigar e, eventualmente, confrontrar o terror?

Faísca: Se o ritmo diminui, você introduziu uma cena violenta para mostrar o terror e seu trabalho assustador?

Risco final: Seu climax final contém satisfação suficiente para o leitor? Quando as coisas ficarem o pior possível para os protagonistas, com nenhuma saída aparente; no momento em que eles seriam subjugados pela força superior do terror, alguma coisa permite o triunfo – coragem, ingenuidade, imaginação, uma ferramenta ou pedaço de informação plantada anteriormente?

Ele vive: Um curto capítulo final ou epílogo mostra o personagem principal em paz, voltando à sua vida normal, todavia mudado para sempre pelo encontro com o mal. Mas você deu a dica de que a vitória é temporária e que o terror simplesmente se escondeu e pode voltar algum dia – possivelmente em uma sequência?

Outras convenções para se ter em mente:

Ataque do cupido: refere-se à subtrama romântica onde o herói e a heroína se encontram e se juntam (espiritual e fisicamente) para combater o mal.

Informação confiável: o leitor espera que o escritor apresente informações bem pesquisadas sobre uma lenda, mito, oculto ou fato físico, localizações geográficas, esportes, profissões, etc.

Conclusão

Jovens leitores têm um entusiasmo genuíno sobre sua literatura. A ficção de terror contemporânea lhes fornece a excitação para leitura que quase sempre está ausente das salas de aula onde dominam os clássicos e os modernos queridinhos dos professores. Anne Tyler, Saul Bellow e John Fowles são escritores finos, mas o que desperta o apetite destes estudantes por histórias é o terror. Este gênero conversa com eles de uma maneira que Silas Marnes não consegue. Sua resposta à ficção de terror reafirma a força que a literatura pode ter nos jovens quando os professores permitem.

Estes leitores também possuem um conjunto bem claro de padrões. Enquanto eles apreciam os detalhes visuais do terror extremo, eles também insistem que certos limites devem ser respeitados. Eles pedem escrita de qualidade, especialmente na caracterização. Um das questões debatidas com mais fervor entre os críticos – se o terror deve ser psicológico ou sobrenatural – não parece ter importância para eles. Uma quantidade igual de leitores escreveu que “uma boa história de terror mistura realidade, fantasia e o sobrenatural” assim como o gosto por "histórias que possam acontecer de verdade, porque estas são as que mais me assustam”.

No final, embora a superfície da história de terror tenha mudado para refletir os dias atuais, os leitores de hoje ainda esperam personagens originais dentro de uma história vívida, baseada em uma premissa assustadora e original, misturada com um enredo de suspense que os mantenha mudando de página freneticamente. Embora nenhuma fórmula possa garantir o sucesso, este é um bom lugar para se começar.

Você está aqui: Artigos Teoria Literária Escrevendo Terror no Século XXI: Parte IV