Contos

Livros, cafés e outras maldições

(2 votos, média de 4.00 em 5)

 Eu odeio quando as coisas tendem a não sair como o esperado, odeio quando não posso escolher, odeio certas marcas de café, e odeio, odeio mesmo ser dono desta maldição. Sim, isso sempre atrapalha meus planos, sempre na hora errada, e no lugar errado, como uma prisão. E logo desta vez que eu havia tido tanto trabalho. Sim, vigiar a casa — havia levado varias noites

Leia mais...

Um Coração de Metal

(2 votos, média de 5.00 em 5)

Havia uma fábrica abandonada naquela colina. Os ventos, carregados de neve, castigavam toda a estrutura. Produzia um estrondo forte, devido ao metal estar retorcido, em conjunto com o terrível assobio produzido pelos ventos. Não havia ninguém para presenciar isso. Lá dentro se encontravam maquinários bem conhecidos que visavam um único objetivo: construir autômatos.

Leia mais...

Estilhaços

(2 votos, média de 5.00 em 5)

07 de outubro de 1976

A casa estava abandonada havia alguns meses. A grama do jardim ia alta, e resvalaria nas canelas de quem ousasse caminhar sobre ela. Ninguém o faria. Toda a casa estava imunda, havia lixo, ratos e insetos que se alimentam de todo o tipo de porcaria, talvez atraídos pelo odor de carniça que empesteava o ambiente. As paredes de um dos quartos ainda apresentavam marcas de sangue. As folhas das árvores se acumulavam no interior ao entrar pelas janelas abertas. Por fora o reboco caía e deixava mais feio ainda aquilo que um dia foi lar de alguém. Não era, de maneira alguma, um lugar agradável...

 

Leia mais...

Canção dos Pássaros Mortos - Flávio de Souza

(3 votos, média de 5.00 em 5)

Os olhos vítreos do moribundo fitavam a superfície ondulada dos afrescos no teto rústico. Do alto, fixados em seus túmulos de gesso, inúmeros anjos de óleo pareciam debochar de todo sofrimento que ele experimentava.

Leia mais...

Creative Killer 2

 

O menino na sala de interrogatório cantarolava, enquanto desenhava círculos negros. O delegado Romes do outro lado do vidro apenas observava. — Ele vai precisar de terapia depois disso. O cabo Atson ao seu lado disse. — Elementar, meu caro Atson. Elementar. Ele respondeu. A única coisa a fazer era liberar o menino, afinal ele não havia dito nada que pudesse ajudar nas investigações, o delegado podia apostar que sua pobre mente traumatizada havia destorcido as coisas, onde já se viu uma loira sorridente que vem para roubar seus sonhos. Aquilo só existia em filmes.

Leia mais...

Você está aqui: Contos