Apenas uma Taça – um brinde ao mestre Stoker – Georgette Silen

(1 voto, média de 5.00 em 5)

 

              

  Apenas uma Taça – um brinde ao mestre Stoker – Georgette Silen

Por Tânia Souza

É inegável o fascínio que os vampiros exercem aos amantes das criaturas sombrias, poucas criaturas oferecem sedução tão singular quanto eles. Feroz, sedutor, belo, mórbido, cruel, melancólico, horrendo... as nuances são intermináveis.  E curiosamente, estão presentes nas mais diferentes culturas. Com o passar do tempo, o mito se modificou e novos atributos explorados na literatura e no cinema, nem sempre aceitos por todos, deram novos ares e novos fãs. E a lenda continua tendo força. Afinal, a eternidade é uma tentação grande demais para ser ignorada.

Georgette Sillen, autora de Apenas Uma Taça – Um brinde ao mestre Stoker, está envolvida com o universo dos vampiros já há algum tempo. Organizadora da coletânea O Grimoire dos Vampiros e autora do romance Lázarus, conhece o tema e soube explorar com habilidade as diferentes facetas das criaturas. A presença de personagens do universo ficcional de Lázarus é uma agradável surpresa que agradará tanto aos que já os conhecem como aos que ainda não o leram.

São 15 contos explorando diferentes aspectos da lenda do vampiro, e para quem quiser saber um pouco mais da pesquisa realizada e as simbologias do mito, a autora falou sobre o tema Aqui. Como sempre faço nas leituras de antologia e coletâneas, não vou comentar todos os contos, mas alguns, principalmente os meus favoritos, merecem um destaque a mais. Vamos a eles:

O colecionador de ossos – O relato surpreendente de uma ordem de caçadores de vampiros, um vampiro-rei, a sedução meticulosa de um pesquisador, caninos, ratos e muito sangue esperam pelo leitor em um cenário muito bem construído.

A dama do leque escarlate – Este conto me lembrou imediatamente a linda capa do livro, que ainda assim, não consegue transmitir toda a personalidade marcante da personagem. Deus, o Diabo e um jogo antigo demais para ser compreendido envolvem a bela protagonista Scarlet Camila, o sedutor Baltazar, cardeais e a inocente Madeleine. Beleza, sedução, crueldade, traições, paixões e momentos de sensualidade, revolta e melancolia aguardam o leitor. Espero ler mais aventuras neste universo, gostei bastante.

O beijo do Loogaroo – Um Loogaroo, segundo as informações constantes nas notinhas do livro, é um vampiro das lendas de ilhas caribenhas. Uma pessoa comum durante o dia, mas que, a noite, despe-se de sua pele para beber o sangue das crianças em suas camas. É amaldiçoado por espíritos malignos ou pelo próprio demônio. Pois ao chegar em uma pequena comunidade, uma jovem e idealista professora vai enfrentar bem mais do que lendas e superstições. Curandeiros, crianças, maldade, inocência e a dor da perda  são alguns dos temperos dessa aventura.

Uma canção para Homero – Para quem acompanhou o universo de Lázaros, aqui, conhecemos um pouco mais de Alexia e o fascinante universo das lâmias, dos poetas e por que não, com a ideia de secretos poemas épicos protegidos por guardiões persistentes até mesmo ao tempo. E mesmo a mais perfeita beleza pode ser fatal.

A asa negra da morte – Um dos contos mais cruéis e impressionantes, traz a presença do Aswang, uma criatura vampírica das lendas filipinas, com características peculiares: pode transmutar-se em uma ave grande ave negra, beber o sangue de fetos ainda na barriga das mães e se alimentar de vísceras de cadáveres. Somente com estes elementos, imaginem só o que espera pelo leitor. Fiquei angustiada com o constante tic tic tic da narrativa. 

Linha vermelha – Em um conto futurista, rápido e letal, criaturas a espreita nas sombras, tecnologia e surpresas terríveis aguardam o protagonista.

Uma prece para Clementine – Triste, violento e feroz. E ao mesmo tempo, belo e comovente. Clementine Fevré é mais uma das personagens do universo de Lázarus que a autora retoma nesta antologia.

O cântico do súcubo – Um conto repleto de visões e delírios que se confundem com a realidade. Entre estradas quase perdidas, ruínas e mosteiros, uma criatura antiga e misteriosa desperta: tentação, desejo, carnificina e pecado serão os elementos mais contundentes dessa narrativa.

Sobre vampiros e vampiros – Crianças, frio, dor e fome. Solidão, tristeza.  Uma personagem forte, impressionante e cruel. Mas... como o próprio titulo indica, há vampiros e VAMPIROS.

O selo vermelho – O maior conto do livro, praticamente uma noveleta, traz elementos vários, da descoberta do Novo Mundo aos mitos da antiga Grécia; de tribos indígenas no meio da mata ainda agreste ao cenário contemporâneo, criaturas em uma guerra tão antiga quanto às lendas vivenciam sentimentos inusitados, aventuras mortais e uma disputa ferrenha.

Este livro é muito interessante para quem quer conhecer narrativas em tons mais clássicos sobre o tema do vampirismo, a leitura destas 348 páginas têm muito a oferecer aos que desejam conhecer um pouco mais do universo vampiresco. Sem deixar de oferecer cenários contemporâneos, personagens novos e sentimentos bastante humanos, como o amor, o medo, o terror, a traição, a paixão, a perda, a solidão, o desejo e outros mais.  Sugiro uma leitura calma, intercalada com outros textos pois, como leitora, diferentes narrrativas sobre o mesmo tema podem ser um pouco cansativas.

Para agradar a diferentes leitores.

E brindar ao mais sedutor dos “monstros”!

Comentários   

#1 ingrid » 28-02-2012 22:09

gostei muito do que escreveu vou tentar ler este livro
0 +−

ingrid

Você está aqui: Resenhas Livros Apenas uma Taça – um brinde ao mestre Stoker – Georgette Silen